COOPANEST-MG

Blog

Serviço de Anestesiologia da Santa Casa: pioneiro em tudo

.

Prédio da Santa Casa em Belo Horizonte
(Foto: arquivo Santa Casa de Misericórdia)

A primeira anestesia geral realizada em Belo Horizonte data de 12 de junho de 1907, na Santa Casa de Misericórdia. Já o primeiro Serviço de Anestesiologia de Minas Gerais foi criado na década de 1950, também na instituição, que, em 1963, se tornou o primeiro estabelecimento mineiro – e um dos primeiros do país – a ser credenciado como Centro de Ensino e Treinamento pela Sociedade Brasileira de Anestesiologia (SBA).

.

Não há dúvida de que o pioneirismo que marca a trajetória do departamento de Anestesiologia da Santa Casa impactou o modo como a instituição tem atuado ao longo dos anos. “Sempre pensamos em evoluir e, hoje, somos o maior hospital a atender ao SUS em Minas, com mais de mil leitos e 1.500 cirurgias realizadas, em média, todos os meses”, afirma Kleber Costa de Castro Pires, atual chefe do Serviço de Anestesiologia.

.

O médico integra a segunda geração a assumir o serviço. “Os pioneiros tinham muitas dificuldades para lidar com os equipamentos e se afirmar como especialistas, tendo que provar seu conhecimento a todo o momento”, conta. Naquela época, o grande nome era o Thadeu Pereira de Figueiredo, médico responsável pela profissionalização da área em Minas – foi em sua gestão que se iniciaram os treinamentos médicos na especialidade.

.

“Em 1982, substituí o dr. Thadeu na organização da residência. Em 1986, assumi a chefia”, lembra Kleber. A mudança se tornou simbólica, pois marcou uma guinada na postura dos profissionais anestesiologistas, que passaram a se preocupar, sobretudo, com a gestão financeira do serviço e a união da classe, que se materializou na participação em instituições e cooperativas da categoria.

.

Thadeu participou da fundação da Sociedade Brasileira de Anestesiologia (SBA), por exemplo. Kléber já foi membro da Sociedade de Anestesiologia de Minas Gerais (Samg) e da Cooperativa dos Anestesiologistas de Minas Gerais (Coopanest). E todos os médicos da Santa Casa são incentivados a fazer o mesmo.

.

Clínica da Dor

Outra conquista dos anestesiologistas da Santa Casa se deu com a criação de um departamento próprio, que engloba o Serviço de Anestesiologia e a Clínica da Dor. Márcia Rodrigues Neder Issa, atual chefe do departamento, conta que ele foi criado há cerca de dez anos. A Clínica da Dor, entretanto, só se firmou nos últimos anos.

.

(Márcia, no bloco cirúrgico da Santa Casa | Foto: Bruno Assis)

“A instituição realiza quatro mil internações por mês, então, temos uma atuação intensa em dores agudas e crônicas. Atendemos em nível hospitalar e ambulatorial, para interromper essas dores”, ressalta. E não são apenas os anestesiologistas que atuam na área. Cada vez mais ela se torna multidisciplinar, com a contribuição de profissionais de outras especialidades – como Radiologia e Neurologia. “Nosso pessoal está animado e os jovens começam a entender essa nova função. Nosso diferencial é o trabalho em equipe.”

.

Espírito Santa Casa

Kleber tem 43 anos de formado – 42 deles vividos na Santa Casa de Misericórdia. Márcia terminou a residência em 1987 e nunca saiu da instituição. Todo esse tempo de dedicação mostra o carinho que ambos têm pelo hospital. E os dois são unânimes em dizer que há um “espírito de Santa Casa” em todos que trabalham por lá.

.

“Você tem oportunidades de evoluir e ganhar dinheiro fora, mas não sai. Os desafios são grandes e nos ‘prendem’ aqui. Custei a entender o que era isso”, diz Kleber. Márcia concorda que é necessário ter um perfil diferenciado para estar na Santa Casa. “Além de atender os pacientes que precisam, temos o ensino. E todos nós fazemos esse trabalho com prazer.”

.

Formação qualificada

A formação de jovens é outro diferencial do departamento. O hospital foi credenciado como Centro de Ensino e Treinamento em 1963 e, hoje, se encontra no primeiro quarto do ranking SBA. “Para os próximos anos, a expectativa é evoluir cada vez mais”, prevê Kleber.

.

Márcia destaca o contato diário entre os profissionais mais experientes e os jovens. “A proximidade com o residente me obriga a estar sempre atualizada. Preciso ensinar não só a fazer anestesia, mas como atender o paciente.”

.

Essa característica, segundo ela, cria um ambiente propício ao crescimento profissional, fator que faz de Márcia uma apaixonada pelo local. “Temos muita responsabilidade, tanto com a população quanto com os jovens que treinamos. Minha carreira profissional transcorreu praticamente toda aqui e, mesmo nos momentos de incerteza, optei por ficar. Trabalhar na Santa Casa é um enorme prazer.”

Artigos relacionados

Assembleia Geral Ordinária da Coopanest MG

A Assembleia Geral Ordinária da Coopanest MG será no dia 17 de março, com última chamada às 19 horas, e…

Repasse dos honorários em março

Atenção, cooperado! Os repasses dos honorários em fevereiro acontecem nos dias 10, 21 e 30 do mesmo mês.